O Open Banking e os benefícios do aumento de transparência nas ofertas de produtos e serviços pelas instituições financeiras

  • 14 April, 2021 - Articles

Você conhece o conceito de Open Banking?

O Open Banking, ou sistema financeiro aberto, é a possibilidade de clientes de produtos e serviços financeiros permitirem o compartilhamento de suas informações entre diferentes instituições autorizadas pelo Banco Central. Além disso, é possível a movimentação de suas contas bancárias a partir de diferentes plataformas – e não apenas pelo aplicativo ou site do banco, de forma segura, ágil e conveniente.

Em fevereiro de 2021, o Sistema Financeiro Nacional deu o primeiro passo para a implementação do Open Banking no Brasil. O sistema financeiro aberto possibilita – sempre que autorizado pelo usuário – o compartilhamento de suas informações bancárias entre diferentes instituições, e a movimentação de seus recursos e produtos por diferentes plataformas além dos tradicionais aplicativos e sites dos bancos e instituições financeiras. 

Atualmente, apenas a primeira fase foi implementada. Nessa fase ainda não há o compartilhamento de dados de clientes, apenas a padronização das informações dos canais de atendimento ao cliente e dos produtos e serviços oferecidos por todas as instituições participantes. 

 

O que vem por aí…

Espera-se neste primeiro momento o surgimento de comparativos de serviços e produtos financeiros, possibilitando ao cliente escolher, com mais facilidade e agilidade, as opções de serviços e produtos mais adequadas ao seu perfil e necessidades.

A partir da segunda fase, que será implementada em julho deste ano, os clientes poderão solicitar o compartilhamento entre instituições participantes de seus dados cadastrais, transacionais e relativos à serviços tomados. É importante ressaltar que em adequação à LGPD (acesse esse link para saber mais) o compartilhamento ocorrerá apenas se o cliente autorizar, com restrição dos dados para finalidades específicas e pelo prazo máximo de 12 meses.

 

Quem participa?

Por questões regulatórias, somente as instituições financeiras e as demais autorizadas pelo Banco Central poderão participar do ecossistema de compartilhamento do Open Banking. Para garantir efetividade à norma, de forma que haja a efetiva oferta e aumento da competitividade do mercado, a regulamentação prevê além dos participantes voluntários, instituições obrigadas a acatar requerimento dos clientes no Open Banking, como os maiores bancos por exemplo. 

 

Como será resguardada a proteção dos meus dados?

Para ter sua operação complacente com a proteção de dados pessoais, a instituição deverá informar de forma clara e objetiva ao cliente a finalidade do compartilhamento e ressaltar a faculdade do seu encerramento a qualquer tempo.

Além disso, a instituição deverá discriminar detalhadamente os dados de produtos e serviços que serão objeto do compartilhamento. 

O Open Banking tem data privacy by design. Nesse contexto, certamente a gestão do tráfego, o armazenamento, e utilização dos dados transacionados pelas instituições participantes trará um grande desafio operacional e tecnológico para se adequarem à LGPD.

Percebe-se ainda uma necessária adaptação legislativa, ainda mais no que se refere ao ecossistema financeiro e sua regulação e a adequação natural às normas de proteção de dados. 

Ainda não sabemos como as instituições irão se adaptar ao novo arcabouço normativo trazido pelo Open Banking e pela Lei Geral de Proteção de Dados. O que esperamos é uma provável otimização do tratamento dos dados dos clientes para, enfim, beneficiar o usuário com produtos e serviços mais assertivos e competitivos.

 

Quais dados serão compartilhados? 

Pelo calendário disponibilizado pelo Banco Central, até o final do ano, informações como propostas de operação de crédito, de investimentos e de outros produtos bancários serão incluídas no rol de dados possíveis de compartilhamento mediante consentimento do cliente. Nesse momento, a obtenção de informações e o embasamento para tomada de decisão dos clientes atingirão em tese o objetivo do Open Banking, aumentando a oferta de serviços e a competitividade do mercado. 

As instituições participantes deverão obedecer à resolução conjunta nº 01 de 2020 de autoria do CMN e Banco Central, que detalha a responsabilidade pelo compartilhamento de informações, tratamento de dados, e principalmente a forma de manifestação de consentimento requerida pela autoridade reguladora.

 

O que a experiência lá de fora nos diz…

O Reino Unido foi um dos primeiros países a implementar o Open Banking, seguido da Europa e da Austrália.

Em curso desde 2018, o Reino Unido reuniu alguns números interessantes para imaginarmos a aplicação, reflexos e perspectivas futuras do sistema aberto no ecossistema brasileiro:

  • 94% das FinTechs consideram que o sistema bancário aberto pode melhorar seu serviço atual (Snapshot EY, março 2018).
  • 84% das instituições financeiras estão investindo em produtos e serviços desenvolvidos em razão do Open Banking (Fintech Future, Opportunity Knocks the future of Open Banking, 2018).
  • 8 em cada 10 instituições adotaram ou planejam adotar o Open Banking (Transunion, The Evolution of Open Banking, janeiro 2019).
  • 72% da população adulta do Reino Unido irá acessar serviços financeiros via aplicativo telefônico até 2023 (CACI, The Future of Digital Banking, maio 2018)

 

Na prática, como isso muda a vida dos clientes?

  1. Será possível comparar tarifas e principalmente as taxas de juros de diferentes operações de crédito entre instituições para compra de risco ou portabilidade.
  2. Será possível utilizar aplicativos e sistemas externos que façam interface integrada com os bancos e instituições financeiras do cliente para acompanhamento da rentabilidade geral da carteira.
  3.  Será mais simples comparar oferta de produtos e serviços de investimento e diversificar as alocações em diferentes instituições participantes do ecossistema do Open Banking.
  4. A expectativa é que as instituições participantes movimentem uma onda de desenvolvimento de ferramentas para melhorar a experiência do cliente em suas plataformas.
  5. O usuário poderá se beneficiar de taxas de crédito mais competitivas, de forma que as instituições terão que inovar para garantir a fidelização do cliente.
  6. É esperada a realização de parcerias entre as grandes instituições e Fintechs para oferecer ao cliente produtos diversos em uma única plataforma. 
  7. Pela facilidade e melhor oferta dos produtos disponíveis é aguardada uma movimentação do volume de transações financeiras, o que, em tese, beneficiaria todo o mercado.
  8. Todos os esforços do ecossistema financeiro estarão voltados para o cliente, observando principalmente: uma melhor experiência UX (User Experience), melhor usabilidade e navegabilidade das plataformas, melhores produtos e créditos mais competitivos.

 

Acompanharemos a finalização da implantação do Open Banking e colocamos os nossos especialistas à disposição em caso de dúvidas. Entre em contato com novosnegocios@chenut.online.



Retour à la page precedente

Inscrivez-vous à notre newsletter