Visual Law: mais engajamento e mais assertividade em seus pleitos

  • 11 outubro, 2021 - Artigos

Por Mariana Pereira Barcelos

“A University of Minnesota constatou que apresentações com recursos visuais são até 43% mais persuasivas. No mesmo sentido, a Rhodes University revelou que documentos que contenham símbolos/imagens são até 95% melhor compreendidos.”

É no contexto da frase acima que incentivamos a aplicação do Visual Law como um suporte aos departamentos jurídicos e escritórios de advocacia para um maior engajamento e assertividade em seus pleitos junto ao judiciário. 

O Legal Design é uma metodologia que perpassa por três áreas: Direito, Tecnologia e Inovação. É uma abordagem inspirada no Design Thinking, vertente aplica em procedimentos visando a resolução de problemas e descoberta de soluções mantendo o foco no ser humano. O objetivo dessa metodologia é aprimorar produtos, serviços, linguagens, através da aproximação e estreitamento da comunicação junto aos destinatários, gerando engajamento e entrega de valor como resultado. 

Especificamente na área jurídica, a abordagem se aplica no atendimento, compreensão e report das problemáticas do cliente, sejam ao Poder Judiciário ou a quem se possa interessar, e conversão de tais questões em uma linguagem que possa ser compreendida por qualquer pessoa, inclusive por aquelas sem formação em Direito. A aplicação da técnica pode aprimorar até mesmo comunicação entre os escritórios de advocacia e os seus clientes.

Uma importante referência no tema do Legal Design é a professora Margaret Hagen, da Universidade de Stanford, que conceitua o Legal Design como um “método prático-criativo de solução de problemas de forma inovadora, empática, centrada no usuário.” 

Especificamente acerca do Visual Law, subárea do Legal Design, ensina Margaret Hagen que trata-se de ferramenta para  “ilustrar casos, colocar as situações humanas de volta nos pareceres jurídicos (…) pensar como podemos converter textos complicados em apresentações gráficas claras, de fácil sintetização”.

A diferença entre o Legal Design e o Visual Law é que o primeiro trata-se da aplicação de técnicas, metodologias e ferramentas de Design ao Direito para solucionar problemas jurídicos, enquanto o segundo é uma das soluções que podem ser realizadas a partir de um processo de Legal Design. O objetivo, portanto, é desenvolver questões jurídicas de forma simples, funcional, atrativa e com usabilidade eficaz. 

Como o próprio nome sugere, o Visual Law é uma ferramenta que utiliza de elementos visuais para melhorar a experiência do usuário. Em se tratando de departamentos jurídicos e escritórios de advocacia, o usuário final habitualmente é o Judiciário. Dessa forma, o uso de elementos visuais objetiva muito além de simplesmente dispor de um material esteticamente mais agradável. A aplicação, através da utilização de referências visuais em petições e documentos, torna-os mais funcionais, acessíveis e inteligíveis. Por meio do Visual Law, a compreensão do problema e das suas respectivas teses de defesa é facilitada, majorando, dessa forma, as chances de êxito na obtenção do pleito diante da clareza em que são trazidas as informações aos destinatários e julgadores.

Fazendo uso do Visual Law, advogados e operadores do Direito podem destacar tópicos relevantes em petições, ilustrar fatos e situações de modo a resumir as circunstâncias inerentes ao caso, colacionar imagens, trazer elementos que tornarão a leitura mais dinâmica e captarão a atenção do receptor do documento. Em outras palavras, o Visual Law proporciona a utilização de fluxogramas, infográficos e storyboards facilitando a compreensão acerca de temas complexos do Direito.

A atuação meramente com vistas ao cumprimento de prazos e aplicação de estratégias processuais voltadas pura e simplesmente para a aplicação ‘tradicional’ do direito, revela aos advogados cenários desafiadores diante da transformação digital vertiginosa em que estamos inseridos. Em contrapartida, os advogados que vislumbram a tecnologia como ferramenta que proporciona a potencialização dos resultados e fazem uso de métodos modernos, avançados e tecnológicos, conseguem atravessar esse contexto disruptivo com tranquilidade, tornando essa prática um diferencial em sua atuação.

A tecnologia e a utilização dessas inovações quando corretamente empregadas, garantirão resultados positivos, estreitando a comunicação entre departamentos jurídicos e escritórios de advocacia e entre advogados e o Poder Judiciário, por meio de formatos criativos e que facilitam a comunicação entre as partas. 

O CHENUT lança mão de profissionais especializados na área e está à sua disposição para apresentarmos alguns dos nossos cases de Visual Law.



Voltar à página anterior

Cadastre-se em nossa Newsletter