Operações de M&A no Setor da Saúde em face da pandemia do Covid-19 no Brasil

  • Philippe Boutaud-Sanz e Júlia Maria Caldeira Gertrudes - 07 janeiro, 2021 - Artigos

A pandemia do Covid-19, indubitavelmente, gerou consequências em todos os setores da economia no ano de 2020, inclusive no da saúde. As radicais transformações no modo de vida dos indivíduos causaram, assim, não apenas mudanças de hábitos diversos a curto e longo prazo, mas também a reestruturação das demandas e efeitos econômicos em planos micro e macro.

Antes da pandemia do Covid-19, de 2017 a 2019, as fusões e aquisições (designadas geralmente pelo termo “M&A”) na área da saúde apresentaram notável destaque, principalmente entre hospitais e laboratórios de análises clínicas. De acordo com pesquisas realizadas¹, a média de crescimento nas operações de M&A nesse setor foi de 74% em 2017, tornando-o o “ano mais aquecido das últimas duas décadas”. Esse grande aquecimento, por sua vez, pôde ser visto como repercussão da alta liberação de capital estrangeiro destinado às empresas de assistência à saúde, visto o espaço de investimentos que o setor representa – devido a fatores como condições precárias dos hospitais e limitação nos recursos públicos.

Tendo em vista o cenário de alto crescimento dos últimos anos, as tendências para as operações de M&A na área da saúde no ano de 2020 seriam bastante otimistas. De acordo com pesquisas realizadas ² em fevereiro de 2020, as crescentes necessidades, aliadas à limitação de recursos públicos, tenderiam a fazer com que os indivíduos buscassem, cada vez mais, por atendimentos particulares e serviços privados, cenário vantajoso aos investidores do setor e que possibilitaria a modernização e melhoria dos atendimentos. Devido à pandemia, essas previsões se mostraram falhas em um primeiro momento; no entanto, num segundo momento, notou-se que as operações dessa natureza estão aquecidas e cada vez mais propícias a investimentos, embora muitas vezes tais investimentos sejam distintos dos inicialmente previstos.

De fato, observou-se em 2020 uma quebra de expectativas iniciais, em decorrência da absoluta ausência de previsibilidade relativamente à pandemia do Covid-19, seguida por uma adaptação geral com notável aquecimento de alguns segmentos. A telemedicina, por exemplo, autorizada pela Lei nº 13.989 de 15 de abril de 2020, tornou-se bastante popular e uma nova fonte de investimentos. Apesar de essa lei prever, inicialmente, a prática da Telemedicina apenas para o período da pandemia, em 20 de agosto de 2020 foi publicada no Diário Oficial da União uma alteração ao seu artº 6, autorizando a Telemedicina também para o período pós-pandêmico, de acordo com regulamentação a ser emitida pelo Conselho Nacional de Medicina. Por fim, outro grande destaque no setor foi em relação às startups de saúde e higiene, que conseguiram movimentar um número de operações superior ao do mesmo período no ano anterior³. Vale ainda mencionar que a baixa na taxa de juros foi outro fator relevante para a alta dessas operações.

Podemos, portanto, concluir que, apesar das incertezas iniciais, as expectativas para as operações de M&A no setor da saúde voltam a ser otimistas, uma vez que as condições operacionais do setor da saúde no Brasil ainda apresentam limitações diversas, principalmente em recursos, configurando-se assim como uma área propícia aos investimentos, notadamente estrangeiros.

 


Referências:

  • Fusões em saúde têm maior alta em 20 anos. Valor Econômico, 9 de março, 2018.

Disponível em: https://www.anahp.com.br/noticias/noticias-do-mercado/fusoes-em-saude-tem-maior-alta-em-20-anos/ 

Acesso em: nov. de 2020.

  • MOREIRA, José Rita. Setor da saúde intensifica fusões e aquisições. BLB Brasil, 26 de fev. de 2020.

Disponível em: https://www.blbbrasil.com.br/blog/fusoes-aquisicoes-saude/ 

Acesso em: nov. de 2020.

  • Impactos da COVID-19 no setor de Healthcare & Life Sciences. KPMG do Brasil. 17 de abr. de 2020.

Disponível em: https://home.kpmg/br/pt/home/insights/2020/04/impactos-no-setor-healthcare-life-sciences.html

Acesso em: nov. de 2020.

  • GREGORIO, Rafael. Fusões e aquisições no segmento de saúde e higiene movimentam 136% mais em 2020. Valor Investe, São Paulo, 23 de nov. de 2020.

Disponível em: https://valorinveste.globo.com/mercados/renda-variavel/empresas/noticia/2020/11/23/fusoes-e-aquisicoes-no-segmento-de-saude-e-higiene-movimentam-136percent-mais-em-2020.ghtml 

Acesso em: nov. de 2020.



Voltar à página anterior

Cadastre-se em nossa Newsletter